sexta-feira, 17 de abril de 2009

Aquele Belo Sorriso.

Ela sorriu. Um sorriso sincero, amigável. Confortante: pronto, está ai uma boa palavra. Ela sorriu e suas boxexas ficaram vermelhas como tomate. Ela sorriu, e no exato momento veio uma certeza de que existia um Criador, independente de religião. E no exato momento, veio uma certeza de que existia a perfeição. Os olhos dela brilharam; aqueles belos olhos verdes. Um tom verde-claro, quase imperceptível. Tão imperceptível que para vê-lo, tem que chegar o mais perto possível. Ela sorriu. Foi um sorriso de felicidade, com a cabeça um pouco inclinada para o lado, fazendo cair o cabelo por cima do ombro. Foi um sorriso. Do passado, que agora está apenas na minha imaginação. E esse sorriso sempre me vem quando estou pensando, olhando a vida passar diante dos meus olhos. E quando eu me dou conta de que estou perdendo o tão precioso tempo, a lembrança do sorriso da menina das bochechas cor de tomate me dói, porque quando o tempo passa diante de mim, ele me mostra que esse sorriso é apenas um resquício da passado. Enfim, ele me mostra que esse sorriso é passado, e ele me mostra também que o futuro tem que ser moldado. E, consequentemente, ele me mostra que eu tenho que deixar de desejar o passado. Ele me lembra que eu que joguei o passado fora e o deixei aonde ele está. Eu quero esquecer o tal sorriso, mas o presente não me deixa. Ah mas que presente maldito.

7 comentários:

Lina :) disse...

Mas o presente já passou, não?
Profundo o seu texto, Iago. Acho que captei a mensagem.
Enfim, parabéns. Lindo texto.

Beijo :*

Lígia Franco disse...

meter o dedos na coisas não é muito saudável mesmo.

gosto de olhos verdes, queria poder pintar os meus, pintar de verde grama com uma pitada de mel.

Lu Paes disse...

Oi, Iago!
Obrigadíssima pela visita!
Fiquei super feliz com seu comentário! (e fiquei feliz em ver que não sou a única que ainda fala LOL. hehehe).

Olha, não vou mentir para você.
Amo batata com ketchup e não dou a mínima se isso engorda.
E amei seu texto. Amei tanto que quero pedir permissão para escrevê-lo no meu caderno de rascunhos, com os devidos direitos autorais, só para ler durante as aulas.
Gostei tanto do sorriso da menina que fiquei com medo de ler outra coisa. Fiquei com medo porque também me apaixonei por esse sorriso e nenhuma outra crônica que eu ler hoje será igual.
Eu prometi que não ia mentir, lembre-se. O texto é sublime como só as coisas mais perfeitas são.

Beijos da Lu Paes!

ps.: volte sempre ao 'Trinta'.
ps2.:Eu me tornei sua seguidora...

Lina :) disse...

Random, te passei um meme.
Está no meu blog, certo?
Beijos :*

luciana disse...

gostei muito mesmo.
eu gosto de sorrir e vou gostar mais ainda quando tirar o aparelho :D

e que nome de blog mais excelente,batata com catchup.delícia!

Lu Paes disse...

Oi, Iago!!
Eu não sei dançar, e danço endoidada. Também acho que assim é muito mais divertido!! hehehehe!

E eu sei bem como é faltar inspiração...mas, pelo que vi, você tem bastante, para dar e vender!

E...eu sou tão transparente assim?
É tão óbvio que meu coração anda ocupado??
hehehe

Beijões da Lu Paes!

Lu Paes disse...

Oi, Iago!!!
Olha, teatro é o máximo. é o meu quarto ano e eu estou na turma mais legal de todos os tempos.
Se eu fosse você procurava logo um lugar para fazer teatro! É meu vício eterno. É dele que eu vou sentir mais falta quando entrar na faculdade..são tantas elmbranças, alegrias....é incrível!

E meu coração não está exatamente ocupado, é que foi esse o termo que você usou alguns coments atrás!
É mais uma falta de em quem pensar...não sei me explicar..enfim.
Ah, mas meu coração está constantemente ocupado com os livros. Eles são o grande amor da minha vida. hehhehe!

Beijos da Lu Paes!]
ps.: poste logo um texto novo! Eu adorei tudo o que você escreveuaté agora!
ps2.: sempre que eu entro nesse blog fico morrendo de vontade de uma porção de batatas com catchup...hehehhe!